O líder do grupo militante Hezbollah, Hassan Nasrallah, aumentou o tom da retórica anti-Israel. Ele afirmou que o país não pode destruir o Hamas, grupo militante que controla a Faixa de Gaza, e que Israel sofreria outra derrota se decidisse atacar o Líbano. Nasrallah também criticou os líderes árabes por mediarem um cessar-fogo com os israelenses, ao invés de ficarem ao lado dos palestinos envolvidos no conflito.

Em um discurso veiculado por emissoras árabes, Nasrallah afirmou ainda que o Hezbollah confrontaria qualquer ofensiva que Israel possa lançar contra o Líbano. Os comentários representam uma escalada na retórica, pois antes o líder do Hezbollah apenas apoiou verbalmente os combatentes do Hamas na luta contra Israel. Há o temor de que possa aumentar a tensão também na fronteira norte israelense, onde está o Líbano.

Israel já advertiu o Hezbollah para que não inicie uma segunda frente de batalha, afirmando que retaliaria com violência qualquer investida do grupo. Em 2006, o país e o grupo travaram uma guerra no sul libanês.