Neste sábado, o Reino Unido lembrou o segundo aniversário dos atentados suicidas ocorridos em 7 de julho de 2005, em meio ao impacto da recente onda de terrorismo que invadiu a região nas últimas semanas, com os ataques fracassados em Londres e Glasgow. Em 2005, uma série de explosões de quatro bombas atingiu o sistema de transporte público da cidade. Além dos quatro suicidas, 52 pessoas morreram e mais de 700 ficaram feridas.

Os atentados de 7 de julho de 2005 pegaram o então primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, que presidia a cúpula dos sete países mais industrializados do mundo e Rússia (G8), em Gleneagles (Escócia), de surpresa. No dia anterior, ele havia comemorado a escolha de Londres como sede dos Jogos Olímpicos de 2012.

Na última segunda-feira, Blair afirmou que o terrorismo internacional será uma ameaça para o Reino Unido durante anos e será motivo de preocupação para muitos primeiros-ministros.

Blair foi substituído pelo premiê Gordon Brown, no último dia 27. Brown disse que haverá uma urgente revisão da contratação de médicos estrangeiros, após a detenção de vários especialistas em relação aos recentes atentados fracassados no Reino Unido.