O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou ao presidente do Equador, Rafael Correa, que estará presente na 6ª Cúpula da América Latina e Caribe com União Europeia, marcada para o dia 17 de maio, em Madri. A confirmação foi dada na noite de ontem, quando Correa lhe telefonou para informar que conversou com o primeiro-ministro da Espanha, José Luiz Zapatero, e que este lhe disse que concordava em retirar o convite que havia sido feito ao presidente de Honduras, Porfírio Lobo, para comparecer à cúpula, o que desagradou Lula e os demais presidentes da região, que não reconhecem o novo governo hondurenho, e ameaçaram boicotar a reunião. Diante do recuo, Lula avisou a Correa que podia confirmar sua presença.

Rafael Correa foi incumbido pelos presidentes dos países que integram a Unasul, na reunião da última terça-feira, na Argentina, como presidente pro tempore do grupo, a procurar Zapatero e manifestar a insatisfação dos países da região, e fazer gestões sobre a participação de Honduras no encontro em Madri. Zapatero explicou que o convite a Porfírio Lobo ficaria restrito, apenas, a reunião da União Europeia com os países da América Central, mas que o hondurenho não estaria presente na principal reunião a ser realizada em Madri, que é a da América Latina e Caribe com os países da União Europeia.

A conversa entre os dois foi rápida e Rafael Correa ia fazer o mesmo comunicado aos demais presidentes da Unasul, para viabilizar o encontro, já que vários presidentes da região, como Hugo Chávez, da Venezuela, e Evo Morales, da Bolívia, haviam dito que, a exemplo de Lula, também não compareceriam ao encontro se Lobo estivesse presente. A pressão dos países sul-americanos que não reconhecem o governo hondurenho acabou por levar o presidente Porfírio Lobo a cancelar sua ida a Madri.