Duas pessoas morreram na Espanha por causa da variante humana do mal da vaca louca. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (7) pelo governo espanhol.

As vítimas tinham idades de 40 e 51 anos e moravam na região de Castela e Leão. Um deles morreu em dezembro e o outro em fevereiro, disse Jose Javier Castrodeza, diretor de saúde pública do governo regional.

As novas mortes são as primeiras na Espanha desde 2005, quando o país registrou sua única morte oficial até hoje da doença de Creutzfeldt-Jakob. Na ocasião, a vítima foi uma mulher de 26 anos, em Madri.

Os funcionários espanhóis pediram calma e insistiram que é seguro comer carne no país.

A ministra da agricultura regional de Castela e Leão, Silvia Clemente, disse que as duas novas vítimas aparentemente contraíram a doença antes de 2001. Segundo ela, o controle sanitário da carne atualmente é muito melhor do que era na época.

Castrodeza explicou que as mortes foram reveladas apenas agora pois os trâmites para registrar fatalidades do tipo demoram no país.

O mal da vaca louca foi registrado pela primeira vez na Grã-Bretanha, no meio da década de 1980. Acredita-se que a doença tenha se espalhado após fazendeiros adicionarem carne e ossos de vacas infectadas na alimentação do gado.

Segundo médicos, a ingestão de carne infectada pode causar uma variante da doença que atinge humanos. A Espanha já registrou mais de 700 casos de mal da vaca louca desde 2000, segundo o Ministério da Saúde.