Milhares de apoiadores da Irmandade Muçulmana tomaram as ruas em diversos bairros do Cairo nesta sexta-feira, desafiando o estado de emergência nacional imposto pelos militares.

Os manifestantes começaram a sair das mesquitas após as orações de sexta-feira, respondendo a convocação do grupo por um “Dia de Fúria” após a morte de 638 pessoas na quarta-feira, quando a polícia reprimiu de forma agressiva os protestos no Cairo. Simpatizante do presidente deposto do Egito, Mohammed Morsi, estavam acampados há seis semanas na capital para exigir a sua reintegração quando a polícia, junto com veículos blindados, agiu para dispersá-los.

O governo autorizou o uso de força letal contra manifestantes que visam fazer atos de violência contra a polícia e contra as instituições do Estado. Fonte: Associated Press.