Milhares de marroquinos foram às ruas de Marrakech neste domingo pedir reformas políticas durante uma marcha antiviolência, depois que 17 pessoas morreram na explosão de uma cafeteria no mês passado.

A marcha foi a mais recente organizada pelo movimento 20 de Fevereiro, que regularmente realiza protestos pró-democracia. Desta vez, também criticou o terrorismo, por causa da explosão no café Argana, em 28 de abril. Os manifestantes caminharam pela cafeteria destruída.

Autoridades prenderam três suspeitos da explosão e afirmaram ontem que o líder do grupo tem ligações com a Al-Qaeda. No entanto, até o momento, nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo atentado.

O rei Mohamed VI já prometeu mudanças políticas no país para evitar que o Marrocos sucumba à onda de protestos que vêm ocorrendo no mundo árabe de forma generalizada. As informações são da Associated Press.