O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, assinou nesta terça-feira um decreto demitindo o prefeito de Moscou, Yury Luzhkov. No comando da capital do país desde 1992, Luzhkov vinha enfrentando ultimamente duras críticas do Kremlin. O decreto, publicado no site do governo russo, ordenou que Luzhkov, de 74 anos, seja “retirado da posição de prefeito de Moscou porque ele perdeu a confiança do presidente russo”. O decreto apontou o vice dele, Vladimir Resin, como prefeito interino.

O Kremlin criticou publicamente a decisão de Luzhkov de decretar um feriado durante o mês de agosto, enquanto Moscou enfrentava o fenômeno do smog, quando o ar fica poluído por substâncias como o ozônio. O político moscovita foi alvo de vários documentários criticando-o este mês, na televisão do país. O prefeito já se viu envolvido há tempos em acusações de corrupção pelas atividades empresariais de sua mulher, a bilionária do setor de construção Yelena Baturina. Também já foi criticado por preservacionistas por destruir o centro histórico de Moscou.

A demissão de Luzhkov ocorre no momento em que o Kremlin busca renovar os líderes regionais do país, recentemente aceitando as demissões de vários governadores regionais, que desde 2005 são apontados pelo presidente. Na segunda-feira, Luzhkov chegou a declarar que não pretendia deixar o cargo de prefeito voluntariamente. As informações são da Dow Jones.