Importantes nomes da campanha à presidência de François Fillon têm deixado a corrida eleitoral, em mais um revés para o outrora favorito. O quadro atual faz crescer a pressão para que Fillon abandone sua campanha pelo Palácio do Eliseu.

O diretor da campanha, Patrick Stefanini, deixará o posto na manhã desta segunda-feira, após entregar a carta de demissão na sexta-feira, informou a campanha de Fillon. Anteriormente, Thierry Solére, porta-voz sênior, também disse que estava de saída. Outros importantes nomes do partido de centro-direita Les Républicains anunciaram anteriormente a saída.

A debandada foi gerada pelos ataques de Fillon nesta semana ao Judiciário da França por causa da investigação do fato de que ele empregou membros de sua família em empregos públicos que poderiam ser apenas uma fachada para eles recebessem salários, quando ele era deputado. Fillon negou qualquer irregularidade e disse que o momento da investigação é deliberado para tentar destruir sua candidatura e representa um “assassinato político”.

Recentes pesquisas mostram que Fillon, antes favorito, seria derrotado no primeiro turno, em 23 de abril. Ele enfrenta Marine Le Pen, da Frente Nacional, de extrema-direita, e o centrista Emmanuel Macron. O favorito atualmente é Macron, que aparece como vencedor no segundo turno em 7 de maio contra Le Pen.

Diante da situação de Fillon, há especulações de que ele poderia abandonar a corrida eleitoral e ser substituído por outro candidato de Les Républicains. O partido precisa designar o candidato até o dia 17 deste mês. Caso o ex-primeiro-ministro Alain Juppé o substitua, este ficaria à frente dos rivais, segundo as pesquisas. Fonte: Dow Jones Newswires.