Quase duas semanas após as eleições nacionais, começam hoje para valer as negociações para a formação de um novo governo na Alemanha, com uma reunião entre os partidos conservadores da chanceler Angela Merkel e o Partido Social Democrata (SPD, na sigla em alemão).

O grupo de Merkel, que inclui seu partido União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU), busca um novo parceiro após ficar a apenas cinco assentos da maioria parlamentar absoluta na votação do último dia 22. O ex-parceiro da aliança, o Partido Liberal Democrático (FDP), não conquistou o mínimo necessário de votos para ter representação parlamentar.

Embora os conservadores tenham convidado tanto o SPD quanto o Partido Verde para negociar, para os partidos menos populares a perspectiva de governar com Merkel gera preocupações sobre se uma coalizão acabará lhes custando a confiança dos eleitores e apoio no futuro.

Há duas questões que dificultam as conversas. O SPD e os Verdes pedem aumento de impostos para a população de alta renda e a criação de um salário mínimo nacional, duas propostas às quais os conservadores se opõem. Em outras áreas, incluindo energia e políticas para a Europa, há convergência entre os partidos.

Os conservadores e o SPD, que obtiveram 41,5% e 25,7% dos votos, respectivamente, vão avaliar nesta sexta-feira se há condições de repetir a grande coalizão que governou a Alemanha entre 2005 e 2009. Essa é a formação que a maioria dos alemães prefere, embora haja a possibilidade de acordo com os Verdes se o SPD não ceder aos termos dos aliados de Merkel. A chanceler propôs conversas com o Partido Verde no próximo dia 10. Fonte: Dow Jones Newswires.