O exército de Israel criou um mecanismo conjunto com os militares russos para coordenar operações na Síria e evitar confrontos acidentais, disse um oficial israelense nesta quinta-feira.

A autoridade, que falou sob condição de anonimato, afirmou que as equipes militares de ambos os países vão se reunir a fim de discutir a coordenação das operações aéreas, navais e eletromagnéticas no país.

O movimento vem na esteira da reunião do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, com o presidente russo, Vladimir Putin, nesta semana, em Moscou. Netanyahu expressou preocupação sobre a crescente presença russa na Síria.

Os russos têm apoiado o regime do presidente Sírio Bashar al-Assad durante toda a guerra civil, que já matou mais de 250 mil pessoas na Síria. Eles também vem ampliando a presença militar na região, para combater os militantes do Estado Islâmico.

Israel não tem interesse em ver Assad, um inimigo de longa data, permanecer no poder. Mas antes da guerra civil, ambos os países mantinham relativa calma ao longo da fronteira que dividem. Agora, os israelenses temem que uma possível queda do regime Assad cause uma possível invasão dos extremistas do Estado Islâmico.

Os Estado Unidos e seus aliados veem Assad como a causa da crise síria, e Washington já se manifestou contra a presença dos russos no país. Fonte: Associated Press.