O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, revelou nesta terça-feira, 30, que não há militares de alta patente entre os venezuelanos que desertaram e pediram asilo na embaixada brasileira de Caracas. De acordo com o porta-voz, os 25 militares possuem patente abaixo de tenente.

Ele disse que não chegou à Presidência a informação de que o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, tenha recebido apoio de algum general das FANB, a Força Armada Nacional Bolivariana.

Os militares foram abrigados na embaixada, mas devem ser transferidos por questões de salubridade a outro imóvel de representação do Brasil. Além de uma residência diplomática, há o consulado-geral em Caracas, um consulado em Ciudad Guayana e dois vice-consulados, em Puerto Ayacucho e Santa Elena do Uairén.

O porta-voz disse que não tem como avaliar se fracassou a tentativa de depor o presidente Nicolás Maduro e o grau de apoio dos militares do país vizinho a ele ou ao opositor Guaidó. “Há de fato dificuldade de identificar qual a real situação hoje na Venezuela”, afirmou.