O ministro tailandês Jakrapob Penkair renunciou nesta sexta-feira (30) depois de ser acusado de insultar o reverenciado rei do país, Bhumibol Adulyadej. Nos últimos dias, houve rumores de golpe no país em meio a ataques de militares e da oposição a Jakrapob. "O rumor de um golpe colocou muita pressão sobre o primeiro-ministro Samak Sundaravej. Esse é o principal fator para minha renúncia", disse Jakrapob. "Eu espero que as conversas sobre um golpe militar parem após minha saída.

Os militares são bastante próximos do palácio real. No passado, utilizaram supostos ataques à monarquia para tomar o poder, em alguns dos vários golpes que o país já enfrentou. Ontem o supremo comandante militar do país, general Boonsang Niempradit, afirmou que "nenhum soldado quer dar um golpe para derrubar o governo, mas eu não posso garantir que não haverá mais golpes". Boonsang havia pedido a saída do ministro.

O último golpe ocorreu em 2006, após meses de protestos de rua contra o então primeiro-ministro Thaksin Shinawatra. Thaksin foi para o exílio, mas em seguida voltou ao país e atualmente responde a processos por suposta corrupção.

Jakrapob, bastante próximo de Thaksin, será ouvido pela polícia na semana que vem. Um policial indiciou em março o agora ex-ministro, por supostamente insultar o monarca. A polícia não quis explicitar, porém, qual seria o suposto insulto proferido por Jakrapob, que nega a acusação.

Insultar a monarquia, crime conhecido como lesa-majestade, pode resultar em uma pena de até 15 anos de prisão na Tailândia. A medida demonstra a firme devoção de quase toda a população à monarquia, especialmente ao rei Bhumibol Adulyadej, de 80 anos.