O ministro colombiano da Defesa, Gabriel Silva, recebeu hoje seu homólogo brasileiro, Nelson Jobim, para uma reunião em Bogotá. O Brasil tem pedido a Colômbia e aos Estados Unidos garantias de que um acordo militar bilateral ficará restrito ao território colombiano. A viagem de Jobim faz parte das gestões diplomáticas que antecedem a próxima reunião de cúpula da União de Nações Sul-americanas (Unasul), cujo início será na sexta-feira (28), na cidade argentina de Bariloche.

O encontro dos ministros entendeu-se por cerca de duas horas. No final, nem Jobim nem Silva conversaram com jornalistas. A vice-chanceler colombiana, Clemencia Forero, que também participou do encontro, falou aos repórteres sobre a amizade entre Brasil e Colômbia. “Creio, cada vez mais, que esteja havendo mais compreensão e uma maior clareza entre os países da região sobre o alcance de um acordo cuja finalidade especial e particular para a Colômbia é combater o narcotráfico e o terrorismo.”

Em Caracas, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou que o uso de bases colombianas pelo exército dos EUA “colocará em risco” não apenas a América do Sul, mas também a África. Chávez voltou a criticar o acordo militar entre Bogotá e Washington e afirmou dispor de um documento oficial americano segundo o qual a base colombiana de Palenquero ajudaria a “cobrir a América do Sul e a África”.