O conselho consultivo (chamado Shura) recomendou que a Arábia Saudita permita o voto para as mulheres nas eleições locais, mas só em 2015. O órgão não defende, porém, que elas concorram a cargos públicos, disse hoje um de seus membros. Os homens do reino ultraconservador irão votar este ano para eleger metade dos membros dos conselhos municipais.

O conselho consultivo, integrado por pessoas nomeadas por autoridades, atua como um órgão para aconselhamento, sem poder de autoridade legislativa. Um membro do conselho, pedindo anonimato, disse que o órgão recomendou que as mulheres passassem a votar apenas nas eleições seguintes, marcadas para 2015. Segundo ele, isso ocorre pois o registro dos eleitores para as eleições de setembro já terminou há 18 dias.

A recomendação precisa ser apoiada pelo rei Abdullah para ser implementada. No mês passado, mais de 60 intelectuais e ativistas sauditas pediram um boicote às eleições, pois os conselhos municipais não têm legitimidade, na opinião deles, pelo fato de as mulheres não poderem participar.

A eleição municipal na Arábia Saudita, a única forma de voto no reino, deve ocorrer em 22 de setembro. Em maio de 2009, o governo ampliou o mandado dos conselhos municipais em dois anos. A primeira eleição no país ocorreu em 2005, quando metade dos membros dos 178 conselhos municipais foram eleitos, enquanto o restante deles foi nomeado pelo governo.

As mulheres sauditas também não podem dirigir, nem viajar sem autorização de um homem responsável. Em público, elas precisam usar véus sobre a cabeça. As informações são da Dow Jones.