O navio de bandeira maltesa desaparecido há mais de duas semanas foi visto perto de Cabo Verde, segundo a agência de notícias russa Itar-Tass e o jornal alemão “Financial Times Deutschland”. A agência atribuiu a informação a autoridades da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Já o diário alemão citou duas fontes não identificadas. Um porta-voz da Otan afirmou que a aliança monitora a situação, mas não participa nas buscas. O funcionário não confirmou que o Arctic Sea tenha sido avistado.

A embarcação, seus 15 tripulantes russos e a carga de madeira para construção avaliada em US$ 1,8 milhão deveriam ter aportado na Argélia no dia 4 de agosto. O cargueiro fez seu último contato em 28 de julho, com funcionários marítimos britânicos, e seguiu pelo Estreito de Dover.

O mistério começou em 24 de julho, quando os tripulantes do Arctic Sea afirmaram ter sido amarrados e agredidos por um grupo de cerca de dez homens que subiu no navio, na ilha sueca de Oland. Os homens mascarados se identificaram como policiais, mas a polícia sueca negou que tenha atuado na área. O investigador da polícia da Suécia Ingemar Isaksson disse que a tripulação alegou que os homens deixaram o navio 12 horas depois, em botes infláveis de alta velocidade. “Eu nunca ouvi sobre nada parecido em águas suecas.”