O Ever Given, porta-contâineres de 400 metros de comprimento entalado no Canal de Suez desde quarta-feira (24) começou a se mover, segundo os sites de monitoramento de tráfego marítimo Vesselfinder e Myshiptacking. A popa do navio de mais de 200 mil toneladas se afastou da margem oeste do canal.

O tráfego dos mais de 400 navios que aguardam para cruzar o Canal de Suez levará “três dias e meio” para ser totalmente desbloqueado, disse o presidente da SCA (Autoridade do Canal de Suez, na sigla em inglês), Osama Rabie. Segundo ele, o canal funcionará 24 horas após o refluxo do navio.

Os mercados de ações asiáticos subiram nesta segunda-feira (29) enquanto os preços do petróleo caíram com a reflutuação do navio que bloqueia o Canal de Suez, uma das mais movimentadas vias marítimas do mundo, aumentando as esperanças de que a hidrovia vital possa reabrir e diminuir os atrasos no transporte global.

As notícias aumentaram o otimismo sobre o crescimento mundial, à medida que os mercados esperam que o presidente Joe Biden (EUA) delineie seus planos de gastos com infraestrutura nesta semana, o que pode impulsionar uma recuperação já acelerada dos EUA.

“Esperamos que a economia global se expanda de forma robusta em 6,4% este ano, alimentada por um grande estímulo fiscal dos EUA, com repercussões positivas para o resto do mundo”, disse o economista do Barclays, Christian Keller.

O presidente da SCA afirmou em entrevista à TV Al Arabiya que o canal perde entre US$ 13 e US$ 14 milhões por dia após o fechamento do tráfego de navios.

Ele também disse acreditar que as investigações vão demonstrar que o canal não foi o responsável pelo incidente.

As perdas do comércio mundial são estimadas entre US$ 6 e US$ 10 bilhões (R$ 34 bilhões a R$ 57 bilhões), aproximadamente, de acordo com relatório da seguradora Allianz publicado na sexta-feira.