O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que ele e os líderes do Congresso têm de se debruçar rapidamente sobre o trabalho de impedir aumentos de impostos e cortes de gastos, no fim deste ano. Obama se reúne com congressistas de ambos os partidos hoje. “Acho que estamos cientes de que temos um assunto urgente para fazer”, disse o presidente a repórteres.

“Temos de garantir que os impostos não subam para as famílias de classe média, que a economia permaneça forte, que criemos empregos. E essa é uma agenda que democratas e republicanos e independentes, pessoas de todos o país, compartilham”, disse.

O primeiro desafio de Obama neste mandato é evitar o chamado “abismo fiscal”. O chamado “abismo fiscal” é o enxugamento de US$ 600 bilhões em dinheiro público previsto para 2013. Esse enxugamento é fruto de uma combinação entre a extinção, no final de 2012, de uma série de “alívios fiscais”, na forma de impostos e tributos menores, e a entrada em vigor, no início de 2013, de novos cortes novos de gastos públicos federais.

Caso essa combinação de cortes brutais nos gastos públicos e fim de estímulos econômicos realmente ocorra, é consenso de que vai levar os EUA de volta à recessão, da qual escaparam há somente três anos.

Esse cenário pode ser evitado caso republicanos e democratas, que dividem o poder no Congresso, cheguem a um acordo em tempo hábil. Não surpreende, portanto, que uma das primeiras providências de Obama após a reeleição tenha sido telefonar para as principais lideranças do Congresso, de ambos os partidos.