Pela primeira vez, o presidente eleito Barack Obama irá ao Salão Oval, no início formal da complexa transição de presidentes nos Estados Unidos. O atual líder, George W. Bush, guiará o sucessor pelo local. Obama e Bush também terão um encontro a portas fechadas, quando discutirão os desafios de liderar uma nação em meio a uma crise econômica e duas guerras. O democrata assume o cargo em 20 de janeiro.

Bush, que havia apoiado seu companheiro de partido republicano John McCain na campanha, saudou a vitória de Obama como “um triunfo da história da América”. Logo após a vitória, o presidente fez um convite para que Obama e sua mulher, Michelle, visitassem a futura casa. Michelle e a primeira-dama Laura Bush também terão um encontro privativo.

“Eu irei lá com um espírito de bipartidarismo, e sabendo que tanto o presidente como os vários líderes do Congresso já reconhecem a gravidade da situação e querem superá-la”, afirmou o democrata na semana passada, ao ser questionado sobre o encontro com Bush.

A oposição venceu as eleições na semana passada, com boa vantagem. Obama obteve sucesso em sua estratégia de ligar McCain ao presidente Bush, que atinge recordes de impopularidade. Porém, o tom de campanha logo foi abandonado, após o resultado. Bush saudou a vitória dos rivais, e Obama agradeceu o atual presidente. O presidente eleito ressaltou ainda que há apenas um líder no momento no poder, e ele é Bush.

Obama já foi à Casa Branca antes, por exemplo em um encontro emergencial para discutir a crise financeira, em setembro. Porém, segundo uma porta-voz dele, nunca esteve no Salão Oval.