O assessor do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) para Honduras, John Biehl, revelou neste sábado que o órgão tem pesquisas de opinião que revelam que a maioria dos hondurenhos está de acordo com uma “terceira opção” – que não seja o presidente de facto Roberto Micheletti ou o presidente deposto Manuel Zelaya -, a favor de um governo de reconciliação e de unidade nacional para solucionar a crise, segundo informa a mídia hondurenha.

Biehl fez a revelação ao responder uma pergunta dos repórteres sobre a última proposta do governo de facto, no qual Micheletti renunciaria ao poder desde que Zelaya desista de sua intenção de ser restituído à presidência. Segundo ele, as pesquisas, cujos resultados serão tornados públicos no futuro, também revelam que os hondurenhos querem uma solução imediata e pacífica para a crise.

Mesmo que a última proposta de Roberto Micheletti esteja em linha com os resultados das pesquisas, a posição de Zelaya segue sendo de inflexibilidade no sentido de que todo acordo deve passar pela sua restituição ao poder.

Biehl deixará Honduras hoje (24) de volta à Washington, após o fracasso nas negociações para solucionar a crise. “Nós sempre vamos crer em um acordo”, disse o representante da OEA, que vem acompanhando o processo do diálogo desde a sua retomada em 7 de outubro. Mas reiterou que, se não houver um acordo entre as partes, o órgão não enviará missão para observar a eleição do dia 29 de novembro.