A Organização das Nações Unidas (ONU) assegurou ontem que a ação das suas tropas na Costa do Marfim não teve o objetivo de derrubar o ex-presidente Laurent Gbagbo e teve caráter imparcial, limitado à proteção da população em meio a uma guerra civil, segundo informações de Alain Le Roy, chefe da missão de paz do órgão no país africano.

A ação militar da ONU foi fundamental para a prisão de Gbagbo na última segunda-feira. A detenção abriu caminho para o fim da crise, que havia começado no fim do ano passado, quando o ex-líder marfinense recusou-se a aceitar sua derrota nas eleições presidenciais.

A partir de então, tiveram início os conflitos entre suas tropas e as forças leais a Alassane Ouattara, presidente eleito e respaldado pela comunidade internacional. As informações são da Associated Press.