Quatro soldados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) foram mortos hoje no Afeganistão, no dia com mais baixas para as forças ocidentais no país da Ásia Central, em mais de duas semanas.

Um soldado norte-americano, que não foi identificado, foi morto por uma bomba à beira de uma estrada no sul afegão, informou o comando da Otan. Dois outros soldados da Otan, cujas nacionalidades não foram reveladas, foram mortos em trocas de tiros com insurgentes no sul do país.

O ministro da Defesa da Espanha disse que um soldado espanhol foi morto e outros seis ficaram feridos quando o veículo no qual eles viajavam passou sobre um explosivo, enquanto escoltava um comboio humanitário das Nações Unidas. O ataque aos espanhóis ocorreu perto de Qali-i-Naw, 550 quilômetros ao oeste da Cabul.

Isso tornou 1º de fevereiro o dia com mais baixas para as tropas ocidentais desde 13 de janeiro, quando quatro soldados dos EUA foram mortos em três ataques separados ao redor do Afeganistão. Pelo menos 36 soldados de países da Otan foram mortos no Afeganistão em janeiro deste ano, incluídos 30 americanos. No mesmo mês de 2009, foram mortos 23 soldados ocidentais, enquanto em janeiro de 2008 foram mortos 13.

Os EUA e seus aliados estão enviando mais 37 mil soldados ao Afeganistão, para tentar dissolver o ímpeto do Taleban e impulsionar o governo do presidente afegão Hamid Karzai. Apesar da escalada da guerra, Karzai apresentou, na semana passada, em Londres, um plano para convencer os combatentes do Taleban a abandonarem as armas, recebendo em troca casas e empregos no governo.

A liderança do Taleban, no entanto, rejeita negociações até que as tropas americanas e da Otan deixem o país. O Taleban também negou boatos de que representantes do grupo haviam se encontrado na semana passada com um enviado das Nações Unidas.