O assessor de Relações Internacionais do aiatolá Ali Khamenei afirmou hoje que a próxima reunião entre o Irã e os seis países do Ocidente que negociam sobre o programa nuclear persa só terá êxito se os negociadores reconhecerem o direito do país de manter o enriquecimento de urânio.

Ali Akbar Velayati disse que se os seis representantes -Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha- querem que as próximas negociações sejam “positivas e construtivas” deve reconhecer o direito de pesquisa nuclear iraniano do mesmo modo que nas regras da Agência Internacional de Energia Atômica. “Se o 5+1 pretende brincar com as palavras e introduzir questões alheias à negociação, essa rodada vai fracassar. O Irã não violará as regras, mas também não está disposto a abandonar seu direito nuclear”, afirmou.

A próxima sessão de negociações está marcada para 18 e 19 de junho, em Moscou, após o fracasso na reunião de maio, em Bagdá. Na semana passada, o negociador iraniano, Said Jalili, disse que a reunião no Iraque serviu para ajustar a postura das potências, que discordam da visão da República Islâmica.

Os Estados Unidos e países da Europa Ocidental afirmam que o Irã pretende produzir armas nucleares com o processo de enriquecimento de urânio, o que Teerã nega. Fontes da negociação afirmam que o governo de Mahmoud Ahmadinejad estaria disposto a aceitar o fornecimento de combustível atômico do exterior para manter o enriquecimento para fins pacíficos, o que não foi confirmado pelo país persa.