O papa Bento XVI reafirmou a primazia universal da Igreja Católica Romana, aprovando um texto divulgado nesta terça-feira (10) que classifica de "incompletas" as igrejas ortodoxas e acusa outras denominações cristãs de não serem igrejas verdadeiras. O documento afirma que "Cristo constituiu sobre a terra uma única Igreja", e sentencia que outras denominações "não podem ser chamadas de igrejas no sentido próprio", por não contarem com a chamada sucessão apostólica – que teoricamente liga seus bispos aos apóstolos de Cristo.

O pontífice recuperou um documento original de seu antigo legado à frente da Congregação para a Doutrina da Fé. O documento reafirma os padrões da Igreja católica em suas relações com os outros cristãos.

Trata-se da segunda vez em uma semana que o papa vem a público para "corrigir" o que ele classifica como "erros de interpretação do Concílio Vaticano Segundo", referindo-se aos encontros que modernizaram a igreja, realizados entre 1962 e 1965.

Com o documento divulgado hoje, que traz cinco perguntas e respostas, o Vaticano busca esclarecer o que considera "interpretações ambíguas e equivocadas", acusando algumas teologias contemporâneas de propagarem a "confusão e a dúvida".