Os presidentes do Brasil e da Rússia divergiram hoje em relação à perspectiva de acordo sobre a questão nuclear no Irã. Para o presidente russo, Dmitri Medvedev, as chances “com otimismo” são de 30%. Já presidente Luiz Inácio Lula da Silva fala em 99,9% e atribui a ele mesmo a responsabilidade caso não haja êxito na negociação. “Se não der certo, talvez seja falha minha” disse.

Lula afirmou que no encontro que terá com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, vai falar em nome do presidente russo e dizer que é importante se chegar a um acordo. “Temos de fazer um sacrifício”, declarou o brasileiro, ao acrescentar que não vê razão para o acordo não sair.

“Vou com a convicção de que vamos encontrar um acordo. Mas se isso não for possível, voltarei para a casa feliz, porque não fui omisso, e acreditei que todos poderíamos ganhar. Se ontem era otimista, hoje estou muito mais”, disse. Lula e Medvedev falaram com a imprensa após encontro reservado, assinatura de atos e almoço, no Kremlin.

“Vou tentar usar tudo o que aprendi na política para convencer o meu amigo Ahmadinejad que aceite o acordo.” Na opinião do presidente brasileiro, começar rapidamente a punição ao Irã seria um equívoco. Ele observou que é importante que não se repita o mesmo erro que ocorreu no Iraque, “porque precisamos de um mundo de paz e não de guerra”.