O presidente do México, Enrique Peña Nieto nomeou seu ex-ministro das Finanças Luis Videgaray como ministro das Relações Exteriores. A indicação é feita no momento em que o país se prepara para uma relação complexa com o governo do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

Videgaray teve um papel crucial na visita de Trump ao México, no fim de agosto, e pediu demissão do posto de ministro das Finanças na semana seguinte a esse fato. Ele não justificou sua saída, mas ela foi em geral atribuída às fortes críticas geradas pela visita do candidato republicano.

Na campanha, Trump disse que desejava renegociar o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), que os EUA mantêm com México e Canadá, em busca de condições melhores, ou poderia desistir do pacto. O empresário também prometeu construir um muro na fronteira com o México para evitar a entrada de imigrantes e ainda fazer o vizinho pagar por ela, além de deportar os imigrantes ilegais.

Agora, com Trump a algumas semanas de assumir, Videgaray estará encarregado da política externa mexicana e da relação com seu principal parceiro comercial. “A instrução para o senhor Videgaray é acelerar o diálogo e os contatos de modo que no primeiro dia da nova administração [dos EUA], o trabalho de base esteja pronto para uma relação de trabalho construtiva”, afirmou Peña Nieto.

Um sinal negativo para a relação bilateral veio nesta terça-feira, quando a Ford Motor disse que cancelou um investimento planejado de US$ 1,6 bilhão em uma fábrica no México. Em vez disso, a companhia investirá US$ 700 milhões em uma nova fábrica em Michigan. A decisão fez o peso mexicano bater novas mínimas ante o dólar. O México envia cerca de 80% de suas exportações para os EUA e recebe cerca de metade de seu investimento estrangeiro direto do vizinho. Fonte: Dow Jones Newswires.