Cerca de 49% dos israelenses reprovaram cessar fogo com o movimento radical palestino Hamas após os oito dias de combate na faixa de Gaza, segundo pesquisa divulgada hoje pelo jornal israelense “Maariv”.

A trégua com o Hamas entrou em vigor na quarta e foi mediada pelo Egito, países árabes e os Estados Unidos. Durante o conflito, 162 palestinos e seis israelenses morreram, enquanto outros 1.500 ficaram feridos nos dois lados.

O levantamento aponta que 31% concordaram com a medida. No entanto, 41% dos israelense questionados se mostraram contra a ocupação terrestre de Gaza, enquanto 29% responderam ser favoráveis.

O instituto Maagar Mohrot, responsável pela sondagem, consultou 503 pessoas nos dois dias seguintes ao cessar-fogo. A margem de erro é de 4,5 pontos percentuais para mais ou menos.

Eleições

O resultado da operação em Gaza abalou levemente a popularidade do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, reduzindo sua vantagem para a oposição na disputa pelo Parlamento israelense, na eleição de 22 de janeiro.

Na pesquisa do “Maariv”, o partido unificado Likud Bentenu, de Netanyahu e do chanceler Avigdor Lieberman, levaria 37 das 120 cadeiras do Parlamento, enquanto outro levantamento antes do conflito com Gaza apontava que a agremiação receberia 43 vagas.

Os resultados dos outros partidos também não tiveram grandes alterações. Os partidos de direita, como o de Netanyahu, teriam 70 deputados, contra 50 da oposição de centro-esquerda.