Um vazamento de petróleo poderá provocar um "desastre ecológico" em uma zona costeira no sul da Argentina, em Caleta Córdova, um povoado de pescadores perto da cidade de Comodoro Rivadávia, informou hoje um funcionário do governo do município. "Já colocamos em marcha um plano de contingência para deter o vazamento e evitar que a mancha se alastre", disse o subsecretário de imprensa da prefeitura de Comodoro Rivadávia, Marcelo Velasco.

Segundo ele, até agora se ignora de onde surgiu a mancha de petróleo de oito quilômetros de largura que afeta o litoral em Caleta Córdova, 1,750 quilômetros ao sul de Buenos Aires e a 12 quilômetros de Comodoro Rivadávia, na Patagônia. As autoridades acreditam que o petróleo vazado provém de algum navio, mas até agora nenhum barco informou ter sofrido um acidente.

O governador de Chubut, Mario das Neves, apresentou hoje para a Justiça Federal de Comodoro Rivadávia um pedido de indenização de US$ 50 milhões a serem pagos pelas petrolíferas que operam na província. Velasco afirma que foram resgatadas 75 aves marinhas, todas vivas, embora cobertas de petróleo. Ele negou versões da imprensa local de que 500 aves morreram.