O governo do Chile informou nesta sexta-feira que 874 pessoas foram detidas e 90 policiais ficaram feridos durante os protestos estudantis que sacudiram Santiago na quinta-feira e se estenderam a todo o país. O porta-voz do governo, Andrés Chadwick, primo do presidente Sebastián Piñera, defendeu a ação da polícia, que reprimiu até protestos pacíficos de cidadãos desarmados que saíram às ruas, na noite de ontem, batendo panelas como forma de se manifestar contra o governo.

Enquanto a oposição apresentava nesta sexta-feira uma acusação contra o ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, pedindo a renúncia do funcionário por causa da violência na repressão policial, estudantes e professores apresentaram uma ação contra o ministro e também contra a polícia, subordinada ao ministério.

Nesta sexta-feira, Santiago mostrava vestígios de barricadas montadas em vários pontos da cidade, bem como dos incidentes que aconteceram ontem quando os estudantes foram reprimidos com jatos de água e gás lacrimogêneo.

O prefeito de Santiago, Pablo Zalaquett, calculou em mais de US$ 100 mil os prejuízos que sofreram lojas e ruas. Durante os protestos de rua, cerca de 200 manifestantes ocuparam durante horas a sede de uma emissora de televisão, embora não tenham conseguido interromper as transmissões. Os manifestantes desocuparam pacificamente os estúdios.

As informações são da Associated Press.