A polícia usou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar manifestantes em várias cidades do Quênia, o primeiro dos três dias de protestos convocados pela oposição.

O líder oposicionista Raila Odinga, que diz ter sido vítima de fraude nas eleições presidenciais de dezembro, convocou 42 manifestações em todo o país, apesar de uma proibição governamental. Ele iria liderar uma passeata até o parque Uhuru, no centro da capital Nairóbi, que está cercado pela polícia,

A oposição se encorajou com a eleição de ontem do seu candidato, Kenneth Marende, para presidência da assembléia. Mas os seguidores de Odinga prometem lutar até que o presidente Mwai Kibaki e seu governo reconheça que sua reeleição foi fruto de fraude e deve ser anulada,