O policial Jeronimo Yanez, que matou Philando Castile, um homem negro de 32 anos, em Minnesota, foi denunciado por homicídio nesta quarta-feira.

Castile, que era supervisor na cafeteria de uma escola, foi parado por Yanez em uma blitz. Ele informou que tinha autorização para ter uma arma de fogo, de acordo com o procurador do condado de Ramsey, John Choi. Castile e Diamond Reynolds, sua namorada, insistiram na história para o policial. Quando Castile foi pegar sua carteira, Yanez atirou sete vezes no supervisor.

Os disparos foram parcialmente gravados por Reynolds e transmitidos ao vivo no Facebook. Diversos protestos nos Estados Unidos ocorreram após a divulgação do caso.

A família de Castile, junto com o governador de Minnesota, Mark Dauton, disseram que a cor da pele do supervisor seria o motivo para a morte dele. Um advogado do policial afirmou que a presença da arma, e não uma tensão racial, teria sido o motivo para os disparos. Fonte: Dow Jones Newswires.