A presidente do Chile, Michelle Bachelet, que tomou posse em março de 2006, registrou no período novembro e dezembro somente 39% de aprovação popular. O índice de popularidade, elaborado pelo Centro de Estudos Públicos (CEP), indica uma queda de 2 pontos porcentuais desde a medição realizada em junho. A pesquisa do CEP também afirma que a desaprovação à gestão de Bachelet é de 42%. Segundo a pesquisa, Bachelet está em um de seus piores momentos de popularidade desde que assumiu a presidência do país, há pouco mais de um ano e meio.

Entre os problemas que provocam a baixa da presidente chilena está a crise gerada pelo Transantiago, o sistema de transportes da capital do país, Santiago. Além disso, Bachelet enfrenta problemas de inflação e de perda de autoridade. Enquanto Bachelet amarga problemas com sua imagem, outras lideranças exibem uma grande popularidade. Esse é o caso da presidente da Democracia-Cristã, Soledad Alvear, que conta com 53% de respaldo.

Outra pesquisa, da consultoria Cimagroup, afirma que os chilenos concederam a nota 4,8 para o ano 2007, ou seja, uma avaliação "regular" do ano que conclui. Em 2006 a nota foi de 5,1 pontos. A pesquisa também indica que só 10% dos chilenos apreciariam abraçar a presidente Bachelet na noite do Réveillon. No ano passado, a proporção de chilenos que gostaria de abraçar a presidente (depois de ter abraçado parentes e amigos) era de 16%.