A primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, deve convocar uma eleição para o mês que vem, informaram meios de comunicação locais hoje, aumentando as especulações de que ela quer aproveitar a onda de popularidade conquistada após derrotar seu predecessor três semanas atrás.

Julia deve anunciar amanhã a realização de eleições gerais em 28 de agosto, informou a Australian Broadcasting, citando fontes não identificadas do Partido Trabalhista, de centro-esquerda, do qual a primeira-ministra é integrante. A Sky News disse que estrategistas trabalhistas estão aguardando a campanha eleitoral e que as prováveis datas da eleição são 21 e 28 de agosto.

O gabinete de Julia se recusou a comentar as informações. Em visita ao Estado da Tasmânia, a primeira-ministra não falou sobre a provável data para o pleito quando questionada por uma rádio local, na manhã de hoje.

A premiê, de 48 anos, substituiu Kevin Rudd no cargo após em um golpe trabalhista realizado em 24 de junho. Integrantes do governo temiam que a decrescente popularidade de Rudd prejudicasse o partido antes das eleições que devem ser realizadas até abril.

Ela rapidamente descartou um projeto impopular sobre um imposto às principais mineradoras do país e, com a oscilação da aprovação trabalhista, o tesoureiro Wayne Swan abriu caminho para Julia convocar eleições antecipadas, ao anunciar previsões que colocam o governo no curso de um inesperado superávit orçamentário em três anos. As informações são da Dow Jones.