O primeiro-ministro da Somália, Omar Abdirashid Ali Sharmarke, renunciou nesta terça-feira para evitar o que qualificou como “agitação política”, em meio a um impasse entre ele e o presidente do país. Sharmarke anunciou sua demissão à imprensa enquanto estava de pé, junto ao presidente Sharif Sheik Ahmed, que agradeceu o premiê pelo que qualificou como uma “decisão valente”.

“Depois de saber quer a agitação política entre mim e o presidente tem causado uma vulnerabilidade da segurança, decidi renunciar para salvar a nação e dar a oportunidade a outros”, disse o primeiro-ministro. A renúncia ocorreu em meio a uma ruptura entre Sharmarke e Ahmed por divergências sobre um novo projeto de Constituição.

Ahmed disse que a decisão de Sharmarke foi “histórica”, porque supera o impasse entre os somalis sem a necessidade de intervenção estrangeira. Sharmarke, que tem passaporte canadense, assumiu o cargo de primeiro-ministro em fevereiro de 2009, após o governo firmar um acordo com grupos de oposição encabeçados por Ahmed. Os ministros atuais perderão seus postos após a renúncia de Sharmarke, pois o próximo primeiro-ministro deverá nomear um novo gabinete.