O primeiro-ministro finlandês, Matti Vanhanen, pediu nesta quarta-feira (24) regras mais duras para a posse de armas. Investigadores revelaram que o homem armado que matou oito mulheres e dois homens, na terça-feira (23), planejava executar o máximo número possível de vítimas antes de cometer suicídio. O massacre na escola técnica de Kauhajoki foi o segundo caso do tipo na Finlândia em menos de um ano. Vanhanen afirmou que é hora de restringir o acesso às armas em um país com mais de 1,6 milhão de armas de fogo nas mãos de civis. O país tem tradição de caça e é um dos cinco primeiros no mundo no quesito posse de armas entre a população em geral.

“Após esse tipo de comportamento, minha opinião pessoal é que nós temos que estudar se as pessoas devem ter acesso a armas de fogo tão facilmente”, disse o primeiro-ministro em Kauhajoki, 290 quilômetros a noroeste de Helsinque. “Eu sou muito, muito crítico sobre as armas e nos próximos meses nós tomaremos uma decisão sobre isso.” Acompanhado de alguns ministros, Vanhanen visitou a cidade de 14 mil habitantes. O país manteve luto nesta quarta, com bandeiras a meio pau. Moradores acenderam velas e levaram flores ao local da tragédia.

Os investigadores confirmaram que o agressor era Matti Saari, um estudante da escola que havia sido interrogado pela polícia um dia antes do ataque. Ele havia postado vídeos no site YouTube nos quais atirava com uma arma. Saari foi liberado na segunda-feira, porque a polícia disse não ter motivos para mantê-lo preso. A libertação motivou um inquérito sobre o comportamento dos policiais no caso. “Nós vamos obviamente investigar qual foi o fundamento para a decisão de deixá-lo manter sua arma”, disse o primeiro-ministr.

Segundo a Agência Nacional de Investigação, todas as vítimas mulheres eram estudantes, enquanto um dos homens era professor e o outro, estudante. Saari ainda disparou dois tiros na cabeça de outra estudante, mas ela foi operada e passa bem. Em seguida, o autor dos disparos se matou. “Ele deixou em casa uma mensagem dizendo que queria assassinar quantas pessoas fosse possível. Ele tentou disparar tiros fatais”, disse Jari Neulaniemi, chefe das investigações.

Um porta-voz da polícia disse que Saari havia conseguido o porte de sua arma em agosto. O funcionário relatou que o agressor também possuía líquidos inflamáveis para iniciar um incêndio. Saari invadiu a escola encapuzado, perto das 11 horas da manhã. Em seguida começou a atirar dentro de uma sala em que estudantes faziam uma prova.

Em novembro de 2007, um homem de 18 anos matou oito pessoas e depois se matou em Tuusula, no sul da Finlândia. Os dois agressores têm em comum o fascínio pelo massacre na escola em Columbine, nos Estados Unidos, em 1999, e o fato de terem cometido suicídio com tiros na cabeça. Após o massacre do ano passado, o governo prometeu rever uma lei que regula a idade mínima para se comprar uma arma. A intenção do governo é aumentar essa idade dos 15 anos atuais para 18 anos, porém a medida ainda não foi aprovada.