As recentes mudanças no gabinete do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, são uma clara tentativa de ampliar o apoio em meio aos seus índices desanimadores de aprovação.

Santos busca apoio tanto na sua centro-direita de formação quanto na diversificada esquerda do país. A nomeação da presidente do partido de esquerda Polo Democrático, Clara López, para o Ministério do Trabalho e do influente político Luis Gilberto Murillo, do Estado costeiro de Chocó, para o Ministério do Meio Ambiente.

O presidente colombiano está buscando assinar um acordo de paz definitivo com os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

No mês passado, seus índices de aprovação chegaram à mínima de 25%, de acordo com uma pesquisa da revista Semana, diante da impaciência do público com as negociações de paz e a desaceleração da economia.

“Para o fim de seu segundo mandato, Santos quer realizar alguns objetivos principais e formar um gabinete em apoio ao seu acordo de paz”, disse Sandra Borda, professora de ciências sociais da Universidade Tadeo Lozano, de Bogotá. “À medida que se aproximam as eleições gerais, muitos em seu gabinete antigo passaram a perseguir suas próprias agendas.” Fonte: Dow Jones Newswires.