O ex-presidente sul-coreano Lee Myung-bak foi acusado nesta segunda-feira, 9, de cometer os crimes de receber propina, prática de peculato e evasão fiscal. O mandatário está preso desde o mês passado, quando suspeitas sobre sua participação em esquemas de corrupção foram alvo dos procuradores federais do país.

Lee foi presidente da Coreia do Sul entre 2008 e 2013. Em 22 de março, a justiça sul-coreana expediu um mandado de prisão contra o ex-presidente, que foi detido em sua residência, em Seul, e levado para um centro de detenção em Seul.

Segundo o Departamento de Procuradores do Distrito Central de Seul, as acusações contra Lee envolvem o recebimento de US$ 10 milhões em propinas de várias empresas durante seu governo. A gigante Samsung também estaria envolvida no esquema, segundo os procuradores.

O ex-presidente também é acusado de ocultar US$ 33 milhões de fundos oficiais de uma de suas empresas e sonegar mais de US$ 280 mil em impostos.

As acusações contra o Lee ocorrem três dias após sua sucessora na presidência Park Geun-hye foi condenada a 24 anos de prisão por um escândalo de corrupção ocorrido em 2016. O caso levou a processo de impeachment que derrubou Park no ano passado.