Autoridades iemenitas prenderam dez suspeitos da Al-Qaeda na cidade de Áden, a principal do sul do país, informou hoje uma fonte do setor de segurança à France Presse. Segundo a fonte, sete das prisões ocorreram ontem em um bairro de Áden, após os suspeitos se infiltrarem vindos da província de Abyan, uma área com presença da organização extremista. A fonte disse que esses sete suspeitos estavam com rifles AK-47 geralmente usados por militantes. Os outros três presos estavam “tentando colocar explosivos” perto de um hotel em Áden.

As forças de segurança reforçaram seu controle sobre Áden, em meio a temores de que os confrontos entre o Exército e supostos homens da Al-Qaeda em Zinjibar, a capital de Abyan, possam se disseminar para essa cidade portuária estratégica. Pelo menos 81 soldados e policiais foram mortos e mais de 200 ficaram feridos nos confrontos em Zinjibar, segundo uma fonte militar. Em Huta, cidade próxima, dezenas de supostos membros da Al-Qaeda atacaram ontem um posto de segurança e prédios do governo, matando dois policiais e ferindo outros cinco, segundo médicos e moradores.

A oposição iemenita acusa o presidente Ali Abdullah Saleh de exagerar na ameaça da Al-Qaeda para manter seu poder de mais de três décadas. Atua no Iêmen a Al-Qaeda na Península Arábica. Hoje, a Al-Qaeda anunciou Ayman al-Zawahiri como o sucessor de Osama bin Laden, morto em 2 de maio no Paquistão por uma força especial norte-americana. A ramificação iemenita é culpada por planos contra norte-americanos, incluindo um para tentar explodir um avião que ia para os EUA no Natal de 2009. As informações são da Dow Jones.