O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o Ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, visitaram o local em que um caminhão avançou sobre pedestres, matando quatro pessoas e ferindo outras 15. A polícia disse ser um ataque terrorista, que, logo depois, foi elogiado pelo Hamas.

Netanyahu e Lieberman conversaram com algumas pessoas que estavam trabalhando no resgate e com autoridades de segurança antes de saírem do local. Desde setembro de 2015, 40 israelenses e dois turistas americanos morreram. Durante esse tempo, 230 palestinos foram mortos pelo Exército de Israel.

Ataque

A polícia de Israel afirmou que um caminhão avançou contra um grupo de pedestres em Jerusalém neste domingo (08). Quatro pessoas morreram e 22 ficaram feridas, de acordo com o serviço de resgate de Israel.

“É um ataque terrorista, um ataque deliberado”, disse a porta-voz da polícia, Luba Samri, na Israel Radio, que informou que os corpos estavam “espalhados pela rua”. Segundo Samri, o motorista do veículo foi baleado.

Hamas elogia ação

O grupo militante palestino Hamas elogiou o ataque que matou quatro pessoas em Israel, mas não assumiu a responsabilidade pelo ato. O porta-voz do grupo, Abdul-Latif Qanou, disse que o ato é “heroico” e encorajou outros palestinos a fazerem o mesmo para aumentarem a “resistência”. Segundo Qanou, o ataque deste domingo prova que a onda de violência não terminou. “Pode estar quieto, pode demorar, mas nunca vai terminar”, afirmou.

Um caminhão avançou sobre um grupo de soldados israelenses que desembarcavam de um ônibus em Jerusalém. Segundo a polícia, quatro pessoas morreram e outras 15 ficaram feridas

Fonte: Associated Press.