Procuradores do governo mexicano disseram que carcereiros de uma prisão libertaram condenados e lhes entregaram as armas para massacrar 17 pessoas numa festa, além de permitir que os criminosos voltassem para suas celas após a matança. O anúncio foi feito neste domingo pelo escritório do procurador-geral do México e representou uma revelação chocante sobre a matança que aconteceu em 18 de julho na cidade de Torreón, no norte do país. Entre as vítimas estavam mulheres e crianças.

O diretor e dois outros funcionários da prisão estadual de Durango foram colocados em prisão domiciliar enquanto as investigações prosseguem. O porta-voz da procuradoria, Ricardo Najera, disse que existem provas de que o diretor da prisão deu permissão aos condenados para que fizessem a matança, relacionada ao tráfico de drogas, no estado vizinho de Coahuila. Ele disse que o mesmo método pode ter sido usado em mais dois estados.