A Standard & Poor’s avalia que a probabilidade de a Grécia sair da zona do euro cresceu para cerca de 50% após a decisão de Atenas, no último fim de semana, de rejeitar uma proposta de resgate dos credores do país e marcar um plebiscito sobre o assunto para o próximo domingo (05).

Em relatório, a agência de classificação de risco diz que o risco de contágio financeiro de uma eventual saída da Grécia da área que compartilha o euro deverá ser controlável, mas nota também que isso poderá gerar consequências de longo prazo difíceis de se prever.

Para a S&P, o impacto na zona do euro, se a saída dos gregos se confirmar, deverá ser contido, mas poderá atingir os mercados de capitais, impulsionando os juros dos bônus, principalmente de países considerados periféricos e mais vulneráveis.