Procuradores sul-coreanos podem questionar a presidente Park Geun-hye sobre suspeitas de que ela teria deixado uma antiga confidente manipular o poder nos bastidores, segundo reportou neste domingo a agência de notícias Yonhap.

Se confirmada a atuação dos procuradores, será a primeira vez que um presidente em exercício do poder será questionado no país. O escândalo é a principal ameaça para Park, cujo pedido público de desculpas não acalmou os ânimos da população.

A agência coreana Yonhap citou uma autoridade não identificada afirmando que os procuradores desejam questionar a presidente presencialmente já nesta terça ou quarta-feira. Segundo a reportagem, o gabinete de Park já teria sido notificado. O governo não comentou.

Além de supostamente manipular o poder, a confidente da presidente, Choi Soon-sil, a filha de um intelectual que emergiu como mentor de Park na década de 1970, também é suspeita de explorar seus laços com a presidente para coagir empresas a doar dezenas de milhões de dólares para fundações que ela controla.

Centenas de milhares de sul-coreanos foram às ruas de Seul neste sábado para pedir a renúncia da presidente Park no maior protesto ocorrido na capital sul-coreana desde a sua democratização, há 30 anos. Fonte: Associated Press.