A China suspendeu hoje a privatização da fabricante estatal de aço Linzhou Iron and Steel Co. após empregados terem iniciado um protesto e retido um funcionário no escritório da fábrica por quatro dias – a segunda vez em um mês que os trabalhadores siderúrgicos do país conseguiram evitar uma privatização. Autoridades na província central de Henan decidiram suspender a venda da Linzhou para acalmar os trabalhadores, que desde terça-feira da semana passada protestavam contra a reestruturação e pediam maiores compensações, informou a agência estatal de notícias da China, a Xinhua.

Pelo menos 400 trabalhadores tomaram os escritórios da siderúrgica Linzhou na terça-feira e mantiveram retido no local um funcionário da Comissão de Ativos do Estado, uma entidade do governo chinês que supervisiona fusões e privatizações no setor público. Dong Zhangyin foi libertado hoje. No mês passado, um protesto similar no noroeste da China acabou em morte, quando um gerente-geral de uma siderúrgica foi espancado por trabalhadores. Após o incidente, a fusão com outra empresa chinesa do ramo foi cancelada.