Onze vencedores do Prêmio Nobel da Paz apelaram ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, que retire “acusações abusivas de pirataria” contra 28 ativistas do Greenpeace e dois profissionais que prestavam serviços para a organização não governamental.

“Estamos confiantes de que você compartilha nosso desejo de respeitar o direito a protestos não violentos”, disseram os laureados do Nobel em carta a Putin, divulgada pelo Greenpeace nesta quinta-feira.

Autoridades russas fizeram acusações formais de pirataria contra ativistas do Greenpeace que realizaram um protesto contra a exploração de petróleo na região do Ártico no mês passado. Crimes de pirataria podem resultar em sentenças de até 15 anos de detenção.

Os ativistas, de 18 países, ficarão em prisão preventiva até o fim de novembro e estão sendo submetidos a “condições desumanas”, segundo seus advogados.

Os vencedores do Nobel, que incluem o bispo sul-africano Desmond Tutu e o ex-presidente do Timor Leste José Ramos Horta, alegam que um eventual vazamento de óleo no Ártico teria um “impacto catastrófico” nas comunidades locais. Fonte: Dow Jones Newswires.