O partido comunista que governa a Coreia do Norte marcou a data para sua maior convenção em décadas, em uma aparente indicação de que o regime pode estar pronto para dar ao filho do governante uma posição-chave, lançando as bases para a sucessão de poder. Os delegados do Partido dos Trabalhadores governista se reunirão em Pyongyang no dia 28 para apontar seu “organismo supremo de liderança”, informou hoje a agência de notícias estatal.

A conferência será a primeira grande reunião do partido desde o congresso de 1980, quando Kim Jong-il, então com 38 anos, fez sua estreia política com uma apresentação que o confirmou na linha sucessória do pai, o fundador da Coreia do Norte Kim Il Sung.

Kim Jong-il tomou o controle da Coreia do Norte quando seu pai morreu de insuficiência cardíaca, em 1994, na primeira transferência hereditária de poder no comunismo. Agora, aos 68 anos e aparentemente com a saúde ruim, após um ataque de apoplexia, acredita-se que Kim esteja preparando seu terceiro filho, o mais novo, Kim Jong Un, para uma transição de poder similar.

No entanto, as autoridades norte-coreanas não confirmaram nada oficialmente. Analistas dizem que Kim Jong Un poderia ser designado para um cargo importante na convenção da próxima semana.

“Creio que a Coreia do Norte decidiu dar ao sucessor um título oficial, mas sem torná-lo público para o mundo exterior”, temendo que a divulgação dessa designação pudesse debilitar a posição de Kim Jong-il, disse Yang Moo-jin, professor da Universidade de Estudos Norte-coreanos, em Seul. A imprensa estatal não justificou o atraso na convenção, prevista inicialmente para o início de setembro.