Rebeldes iemenitas assumiram nesta segunda-feira a responsabilidade pelo desaparecimento de um avião de combate marroquino, que fazia parte da coalizão liderada pela Arábia Saudita contra rebeldes do Iêmen. Segundo eles, o jato, de modelo F-16, foi abatido enquanto realizava ataques aéreos no país.

Segundo o serviço militar do Marrocos informou na manhã de hoje, o avião sumiu na noite de domingo, dois dias antes do começo do cessar-fogo de cinco dias proposto pelos sauditas.

Os rebeldes iemenitas, que são conhecidos Houthis e são apoiados pelo Irã, disseram que o jato marroquino foi derrubado em área próxima à província de Saada, reduto do grupo no norte do país. A coalizão liderada pelos sauditas, que inclui o Marrocos, tem como alvo as áreas onde se concentram as rebeliões.

Uma foto fornecida pelos Houthis ao Wall Street Journal mostra os destroços do avião. Eles também afirmaram que membros de tribos iemenitas haviam tomado o controle de uma série de mísseis sauditas que tinham sido abandonados por explodir em solo.

Este é o segundo avião de combate marroquino a se perder no conflito. Durante os primeiros dias da campanha aérea liderada pelos sauditas, um avião de caça caiu no Mar da Arábia, na costa sul do Iêmen. Na ocasião, o piloto foi resgatado por uma embarcação da Marinha nas proximidades. Problemas técnicos teriam causado o acidente. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press