Os tripulantes de dois barcos pesqueiros egípcios dominaram os piratas somalis que os mantinham como reféns havia quatro meses, no Golfo de Áden, e mataram pelo menos dois deles antes de fugirem, segundo informaram um sobrevivente e um empresário. De acordo com a polícia, um pirata foi preso depois de pescadores o terem encontrado numa praia com ferimentos provocados por machadinhas. Os piratas somalis têm mantido seus reféns durante meses à espera de pagamentos milionários de resgate. Não há informações sobre o que aconteceu com pelo menos oito dos criminosos.

Um suspeito que escapou ileso contou que o motim dos reféns começou perto da cidade costeira de Las Qorey, no Golfo de Áden, uma das vias marítimas mais movimentadas do mundo e região onde os piratas concentram suas ações. “Eles nos atacaram com machadinhas e ferramentas, tomaram nossas armas e lutaram com a gente”, disse Miraa, que revelou apenas seu “nome de guerra”. “Eu vi os corpos de dois colegas meus no navio”, prosseguiu Miraa.

Said Jama Hussein, um empresário de Las Qorey, disse ter ouvido de pescadores que os egípcios se amotinaram e tomaram dois barcos ontem. Depois de conseguir se libertar, a tripulação, calculada em 24 pessoas, teria levado inclusive alguns criminosos como reféns. Os piratas se refugiam na Somália, onde não há governo central desde 1991, quando senhores da guerra derrubaram o ditador Mohamed Siad Barre e depois se voltaram uns contra os outros.