O líder reformista do partido do governo do Sudão, Ghazi Salah Eddin, disse neste sábado que vai formar seu próprio partido após ter sido suspendo por condenar a recente repressão do governo aos protestos no país.

O anúncio de Eddin segue uma onda de protestos violentos, após o governo do presidente Omar al-Bashir decidir levantar os subsídios de combustível quase dobrando os preços dos produtos. As autoridades reprimiram violentamente os protestos, matando dezenas de pessoas.

Eddin e outros membros do Partido do Congresso Nacional assinaram uma petição pedindo para reverter as medidas de austeridade e investigar as mortes de manifestantes. Em aparente retaliação, um comitê do partido decidiu suspender nove de seus membros que assinaram a petição, incluindo Eddin, ex-assessor presidencial.

Ele anunciou a decisão de criar um novo partido em sua página pessoal no Facebook, e descreveu as suspensões como “arbitráriaa”, além de afirmar que foi um golpe. “Nós decidimos propor a formação de um novo partido que irá proporcionar uma alternativa respeitável e uma nova esperança para o Sudão”, declarou. Fonte: Associated Press.