O governo do Nepal formalmente informou ao deposto monarca do país, nesta sexta-feira (30), que ele deve deixar o palácio real em duas semanas. Um funcionário da residência disse que o rei estava preparando sua mudança para um palácio privado mantido em Katmandu.

Horas depois, uma bomba explodiu perto de um local em que ocorria uma manifestação, na capital. O protesto era comandado por Prachanda, líder do Partido Comunista do Nepal (Maoístas) – antigo grupo rebelde comunista que se tornou a principal força política nepalesa. Ninguém ficou ferido na explosão.

Televisões mostraram, durante a noite, imagens de caminhões se dirigindo do palácio real para a residência privada do rei Gyanendra. A ordem formal veio dois dias depois de os recém-eleitos parlamentares da Assembléia Constituinte do Nepal instaurarem uma república e acabar com uma monarquia de 239 anos.

Milhares de pessoas participaram da manifestação nesta sexta-feira. Durante o ato, Prachanda afirmou que o primeiro-ministro Girija Prasad Koirala deveria renunciar, para que um novo governo fosse formado.

O escritório de Koirala anunciou na semana passada que ele se afastaria do cargo, para que os maoístas formassem um novo governo. Porém, não houve nenhuma indicação sobre quando isso ocorreria.

O fim da monarquia foi o ponto alto de um processo de pacificação iniciado dois anos atrás. Nesse período, os rebeldes comunistas nepaleses passaram de temidos insurgentes para a força política dominante no país.