María Luisa Sepúlveda, delegada da presidente chilena, Michelle Bachelet, para assuntos de direitos humanos, informou nesta sexta-feira (30) que na próxima semana serão enviados aos Estados Unidos restos de presos desaparecidos durante a ditadura de Augusto Pinochet, dando início à etapa final de identificação.

"Peritos internacionais terminarão no final de 2009" a identificação de todas as ossadas que permanecem no Serviço Médico Legal, afirmou, inclusive as exumadas no pátio 29 do cemitério geral de Santiago, onde haviam sido sepultados clandestinamente identificadas pelas letras N.N.

Sepúlveda respondeu à ANSA que o governo disporá de todos os recursos econômicos necessários para concluir com êxito a operação, exigida pela Associação de Familiares de Presos Desaparecidos.

Só o trabalho da Universidade do Texas sobre as ossadas tem um custo que supera um milhão de dólares, disse.

"Houve vários avanços dentro de um processo lento", disse Sepúlveda, acrescentando que as novas técnicas permitem identificar restos humanos "com muito mais precisão".