Londres – A publicação por parte dos detetives particulares contratados pelos médicos britânicos Kate e Gerry McCann do retrato-falado de um homem que supostamente seqüestrou Madeleine, a filha do casal desaparecida desde o último dia 3 de maio no sul de Portugal, é uma tentativa de desviar as suspeitas sobre os pais da garota, afirmou a Polícia Judicial portuguesa.

Fontes próximas aos agentes portugueses informaram ao tablóide inglês Daily Express que os depoimentos de testemunhas que disseram terem visto um homem em Praia da Luz parecido com a pessoa identificada no retrato-falado haviam sido investigados há meses e se mostraram infundadas.

"O motivo deste último exercício dos McCann é o mesmo de sempre. É outra tática para desviar a atenção deles", disse a fonte.

No último domingo, os detetives contratados por Kate e Gerry para resolver o mistério do desaparecimento da garota britânica de quatro anos publicaram o retrato-falado do homem que teria seqüestrado a menor.

A imagem, desenhada a lápis, foi criada a partir de depoimentos de turistas britânicos que disseram ter visto um homem "de aspecto tenebroso" rondando o apartamento dos McCann em Praia da Luz, na noite do último dia 3 de maio.

Com base nessas descrições, um artista treinado pelo FBI desenhou o rosto do suposto seqüestrador de Madeleine.

No entanto, a polícia portuguesa acredita que se trate de um álibi dos McCann, criado para desviar a atenção da suspeita de que eles sejam responsáveis pela morte da filha.

O ex-inspetor da Polícia Judicial portuguesa, o criminologista Francisco Moita Flores, afirmou que a publicação do retrato-falado por parte dos McCann é curiosa, já que ocorre dias antes de o casal voltar a comparecer à polícia.

"Este é talvez o momento mais crítico da investigação. Eles sabem que existem evidências de que a garota morreu e estamos muito próximos de interrogar testemunhas que poderiam desfazer todas as teorias (de seqüestro)", acrescentou.

Por sua vez, o porta-voz oficial dos McCann, Clarence Mitchell, declarou que o contrato com a agência de detetives particulares Método 3, pelo qual os pais de Madeleine pagam cerca de US$100 mil por semana, irá terminar no próximo mês. No entanto, poderá ser estendido caso o homem misterioso do retrato-falado continue livre.